Quero criar um peixe de água doce, qual posso escolher? O Tucunaré!

Territorialista, o tucunaré é um peixe com apetite intenso e que pode praticar até o canibalismo

Tucunaré - imagem ilustrativa

O professor do Curso CPT Criação de Peixes – Como Implantar uma Piscicultura, Giovanni Resende de Oliveira, explica que a piscicultura é uma atividade muito promissora em nosso país e proporciona aos criadores a opção de criar peixes de água doce ou de água salgada, o que amplia ainda mais as possibilidades de lucro dessas pessoas.

A criação de peixes de água doce é impulsionada por diversas espécies nativas com relevância nacional. Dentre elas, está o Tucunaré, que está presente em abundância em nosso país e que chama a atenção pela sua coloração brilhante e suas listras pretas. A seguir, conheça melhor essa espécie:

O tucunaré

Também conhecido como tucunaré-açu, tucunaré-paca e tucunaré-pinima, essa espécie este habita os rios da América do Sul e é classificada como escamosa de médio porte. Os peixes podem atingir até 1m de comprimento e uma de suas marcas registradas é a existência de um ocelo redondo no pedúnculo caudal.

Habitam lagos, lagoas, rios e estuários e têm preferência por ambientes mais calmos, com águas lentas ou até paradas. Ainda, é popular para a pesca esportiva e possui hábito diurno, alimentando-se de outros peixes, pequenos crustáceos e de quaisquer coisas pequenas que se movimentam.

Mais características do tucunaré

Além do tamanho, eles se destacam pelo peso, que varia entre 3kg e 10kg. Também é marcado por ser um peixe territorialista e sedentário. Uma característica peculiar dos tucunarés é o fato de, quando são criados em lagos, ele se alimenta próximo às margens quando a água já está mais fria, no início da manhã e ao final do dia. De forma lógica, quando ela está mais quente, eles se movem para o centro.

Hábitos do tucunaré

Nos rios, a espécie é dominante, isto é, o tucunaré possui um apetite intenso e está no topo das cadeias alimentares. Como mencionado, alimenta-se de outros peixes e de outros animais que possam cair na água, como insetos e aranhas. Estão sempre caçando e de forma intensa, ou seja, perseguem suas presas até, de fato, conseguirem comê-las.

Curiosamente, quando são pequenos, também são canibais e se alimentam dos seus semelhantes. A partir do momento em que a “marca registrada” aparece na cauda, os tucunarés não praticam mais o canibalismo.

Reprodução

São considerados relativamente precoces, atingindo a maturidade sexual com 1 ano de idade. Procuram pequenas pedras para compor o seu ninho e a fêmea é a responsável por realizar a “segurança” do local, com o auxílio do macho, que fica à volta para evitar que intrusos ataquem o ambiente.

Os juvenis ficam sob a guarda dos pais até aproximadamente 2 meses de idade, até que a famosa marca na cauda comece a aparecer. Quando são liberados da proteção dos seus pais, seguem para regiões de águas quentes e se protegem em locais com vegetação densa em cardumes.

A forma como os machos formam os casais é um tanto quanto curiosa: eles assediam as fêmeas, dando voltas em torno delas, forçando-as a se aproximarem do local escolhido para a postura dos ovos. Depois desse “cortejo”, a reprodução ocorre quando uma fêmea aceita e o segue para o local. Os dois agem como um casal e passam a afastar todos os outros peixes que estão próximos desse local.

Durante a postura, é comum que a fêmea, a depender da espécie, libere até 45 mil óvulos. A construção do ninho, feita com as pedras, é realizada com a boca, focinho e nadadeiras. Todo o processo começa antes da desova e termina após a postura da fêmea. O casal também atua em sincronia, isto é, a construção do ninho é feita pelos dois, mesmo com a fêmea mais responsável por vigiá-lo.

Criação em cativeiro

Para serem criados com finalidade comercial, é importante entender que os alevinos precisam ser de qualidade e adquiridos de criadores com boa procedência. O local para a criação precisa possuir pelo menos 2 a 3 metros de profundidade e área total mínima de 5 mil m². Camarões de água doce e peixes pequenos, como o lambari, são opções de alimento para os tucunarés e a temperatura da água não pode ser menor do que 16°C.

 


Conheça os Cursos CPT da Área Criação de Peixes:

Criação de Peixes – Como Implantar uma Piscicultura
Nutrição e Alimentação de Peixes
Produção de Alevinos

Fontes: Wikipédia – pt.wikipedia.org
Colpani Piscicultura – grupoaguasclaras.com.br
por Renato Rodrigues

Renato Rodrigues 14-09-2021

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.